Loading

Valmir Vilmar de Sousa

vevesousa1958@gmail.com

ELLA


 

Ofegante ela estava naquele quarto sombrio

Caída ao chão, num canto escuro, a soluçar

Com seu vestido rasgado, seminua

Olhos arregalados, mãos trêmulas

Na tentava de levantar-se

Apoiava-se na beira da cama

Percebera no criado mudo, notas de reais

Que seu amante (ou algoz?) deixara

Como pagamento pelo serviço

Ela exausta, temerosa, humilhada

Punha-se a refletir acerca de sua trajetória

Relembrando belos momentos outrora, vividos

Sua beleza, sua simpatia

Atraía homens e mulheres para o seu convívio social

Mas, mas, justamente naquele fatídico dia

Surgira ele, dizendo estar perdidamente apaixonado

Prometera luxo, prazer, amor eterno

Em sua ingenuidade aceitara o pedido de casamento

Enfrentara a oposição de seus familiares e amigos próximos

Sua cegueira não permitira refletir um futuro próximo

E, numa reluzente limusine branca

Fora ao encontro de seu príncipe encantado

Para nunca mais, aquelas paragens voltar

Hoje naquele bordel, seu único lar

Sente saudades de tempos idos

Jamais imaginara tornar o seu corpo, mera mercadoria

Com tanto zelo ela o preservara

Para sua primeira noite com o seu grande amor

Ah! Aquela maldita mansão

Porque não percebera ser uma cilada?

Numa orgia de Eros fora colocada

Vilipendiada, desflorada, humilhada

O príncipe encantado, desencantara, se fizera algoz

Sua vida mudara radicalmente naquela mansão

As festas se fizeram presentes no entardecer dos dias seguintes

Ella, cada vez mais prisioneira de sua consciência

O tempo passara rapidamente

As orgias cessaram, as portas da mansão se fecharam

De sua antiga morada, sobrara amargas lembranças

Pois, pelo seu “amor” primeiro, fora abandonada

Ella naquele quarto sombrio

Trajando um conjunto de lingerie vermelho escarlate

Fumando cigarro, copo de whisky na mão

Perdida em seus pensamentos

Fica a esperar mais um cliente chegar

Pagando por seus serviços sexuais

Rogando a Deus pelo seu perdão

Tal qual Maria Madalena

Que por Jesus fora perdoada

 

 

Valmir Vilmar de Sousa (Vevê) 19/04/21